Blog

Blog

22 Out

ANÁLISES DE ÓLEOS LUBRIFICANTES

As ferramentas de gerenciamento de manutenção sempre foram grandes aliadas na hora de evitar falhas e quebras em equipamentos nas fábricas. A gestão da manutenção é uma atividade essencial para garantir maior disponibilidade, segurança e durabilidade aos ativos da empresa.

Para os óleos lubrificantes não é diferente. A atividade rotineira de lubrificar as máquinas é um tipo de gestão de manutenção, aqui no caso a manutenção preventiva, onde normalmente as atividades são programadas seguindo um intervalo específico. 

Isto pode ser feito através de planilhas ou até então por um gerenciador via software, onde indicará o local a ser feito a lubrificação, quando, como e com que material. Veja em nosso site nossa plataforma de gerenciamento da lubrificação o “Telub System Oil”. 

Quando partimos para uma manutenção preditiva, as ações de manutenção são baseadas na inspeção sistemática e na observação frequente das modificações dos parâmetros ou condições de desempenho das máquinas e equipamentos.

A análise de óleo é uma ferramenta de manutenção preditiva para monitorar e avaliar as condições dos fluidos e equipamentos.

A análise de óleo é uma ferramenta precisa que gera dados confiáveis e palpáveis para acabar com as hipóteses e suposições, tornando suas ações mais precisas.

Com indicadores e informações, as decisões irão gerar menor impacto no custo de manutenção. A análise de óleo gera intervenções programadas, previsibilidade e maior disponibilidade física dos equipamentos.

Para cada tipo de equipamento é importante analisá-lo com os ensaios corretos, para termos parâmetros condizentes a realidade operacional.

Veja abaixo os principais ensaios a serem realizados em equipamentos de uma planta industrial:
Espectrometria de emissão ótica a plasma - ASTM D5185

Resultados para 19 (dezenove) elementos químicos: (Ag, Cr, Cu, Fe, Mo, Ni, Pb, Sn, Ti, Al, K, Na, Si, B, Ba, Ca, Mg, P, Zn) 
Espectrometria por infravermelho - ASTM E2412-04 ◦ Oxidação • Viscosidade cinemática (40°C) - ASTM D445 
Contagem de partículas - (4 µm, 6 µm, 14 µm) ISO 4406:1999 
Teor de água (ppm) - ASTM E2412-04 
Análise visual de partículas (macroscopia)

E lembrando que todo resultado de uma amostra depende muito de como foi realizado a coleta desta amostra.

É comum avaliarmos amostras que foram coletadas de forma errônea, principalmente com equipamentos parados e do ponto do dreno sem antes haver um sangramento deste dreno ou amostras coletadas e deixadas abertas em um ambiente contaminante, com muita poeira.

Estas amostras não serão representativas ao sistema a ser avaliado. Portanto, é valido escrevermos aqui um pouco do procedimento para coletas de amostras de óleos lubrificantes:

Para a coleta, os seguintes itens são necessários:
• Kit de coleta
• Bomba
• Válvula

Para coletar a amostra, primeiro ligue a máquina e faça o óleo se movimentar, para criar uma homogeneização do fluido.

Limpe bem o local de coleta.

Faça a coleta com uma bomba auxiliar, muito comum uma bomba de vácuo manual.
Identifique o ponto de coleta e o equipamento na etiqueta da amostra. Preencha com o máximo de informações como data de coleta, tempo de uso do lubrificante, etc.

Feche a amostra e envie a um laboratório de análises de sua preferência.

A Telub, distribuidor exclusivo da Brugarolas e IKV no Brasil, também realiza em seu programa de serviços analises de óleos lubrificantes.

Entre em contato e faça uma cotação!

Comentários